2019-09-11

Why bringing your business to Portugal is easier than you think 

Whether an SME or large business, taking your first steps into the Portuguese market can take less than a day or be done online, with innovative systems offering significant costs reductions.

Starting or internationalising your business can be a cumbersome affair, not to mention costly. But thanks to Portugal’s advanced systems, from online registration at a reduced 40% cost to its ‘on-the-spot’ one-day incorporation, setting up your business has never been easier.

Is there a way to test the waters for temporary or one-off projects?

If you’re not ready to jump in with both feet and prefer to work with a Portuguese partner before setting up your own subsidiary, then the unincorporated joint venture (JV) is a way for you and your partners to come together to work on limited or temporary projects in Portugal without having to create a formal legal structure.

A JV has no legal personality and no common funds; cooperation is merely for a specific project, in the pursuit of a particular objective or in the development of an activity.

JVs can either be ‘internal’ or ‘external’. ‘Internal’ means having the freedom to determine your own obligations without any formal bodies. ‘External’ means having a leader, steering body and supervisory board. Leaders take on both internal administrative obligations, such as the organisation and implementation of cooperation among all parties, as well as external ones, namely the power to represent the UJV before third parties.

If you already have a base in Portugal, how can you collaborate with other domestic companies?

For companies that already have a foothold in Portugal, a way to collaborate is using an ‘ACE’ - an Enterprise Group. This is where two or more domestic companies collaborate creating a new legal entity with its own organisational structure to improve respective business performance and generate results.

The structure comprises three core bodies: General Meeting (deliberative), Board (management and representation) and Supervisory. An ACE can own assets in the form of member contributions and each member is personally responsible for its debts.

What’s the best business form for an EU company to cooperate with a Portuguese company?

To collaborate with businesses in other Member States you can form an EEIG (European Economic Interest Grouping), which is an ACE but at EU level. With an international legal personality, the EEIG allows parties to come together and carry out activities in the EU to improve the exercising or result of their business activities.

The main differences to note when comparing an EEIG with an ACE are that individuals can form EEIGs, something you cannot do with an ACE, and the parties to the EEIG must be located in different EU countries.

Can a business start operations in Portugal without establishing a company?

If you’re looking to take a first step into Portugal, you can take a minimalist approach without having to establish a fixed corporate structure by opening a branch. This operates merely as an extension of the parent company without legal personality, assets, corporate bodies or equity requirements. You can, of course, allocate funds to the branch for operational purposes.

A branch doesn’t need a corporate body merely an appointed legal representative to manage the business, and a simple registration is sufficient for incorporation.

What types of companies can you set up in Portugal?

To take the next step and establish a legal entity, the most common methods are private limited liability companies and public limited companies. Portugal offers the added advantage of being able to incorporate either entity online or in just one day using a system known as the ‘On-the-spot’.

What are the obligations and requirements for a private limited liability company?

With a simpler governance structure, a private limited liability company (LDA) is particularly popular with those taking their first steps into Portugal or looking for smaller or shorter-term investments. There’s no minimum compulsory share capital, shares numbers are usually equal to the number of shareholders (a minimum of two is needed), shares must be of at least €1 and registration is with the Companies Registrar.

You can incorporate a sole shareholder company, but your liability as sole shareholder is not limited as you are personally and unlimitedly liable if you do not keep your company’s assets separate from your personal assets.

An LDA can be managed by one or more managers. General meetings are used to resolve managerial issues - such as the disposal / subscription of holdings in other companies or disposal / encumbering of real estate - and decisions are taken by a simple majority.

Supervision of LDAs is by a supervisory board or external auditor, but you must set up a supervisory board if you exceed at least two set thresholds for two consecutive years, namely: your balance sheet exceeds €1.5m, turnover exceeds €3m and/or your average number of annual workers exceeds 50.

What are the obligations and requirements for a public limited company?

If you’re looking to invest in larger or longer-term investments, a public limited company (PLC) is for you. With a minimum share capital of €50,000 divided into shares at a minimum nominal value of €0.01, PLCs require at least five shareholders - domestic or foreign - and shares are free to trade privately or on the Stock Exchange, in case of listed companies, without the need to register the sale or the acquisition with the Companies Registrar. Do note, however, that it is now mandatory that the company or the bank holding the shares keep a record identifying the shareholders and the number of shares they hold.

If your PLC’s share capital doesn’t exceed €200,000 you can have just a single manager, otherwise you need a board of directors and must adhere to one of the following models:

  • A board of directors plus a supervisory board or sole supervisor. Listed companies must have a supervisory board as well as any company that exceeds two of the following thresholds: balance sheet over €20m, turnover exceeding €40m and average number of annual employees exceeds 250;
  • A board of directors plus an audit committee made up of managers and an external auditor; or
  • An executive board of directors, a general and supervisory board and an external auditor.

The board of directors manages all aspects of your company’s business and is responsible for resolving any management issues, namely: acquisition, sale and encumbering of real estate; any collateral or guarantees; management reports and financial statements; partnerships or forms of cooperation with other companies; opening or closing of important business or relevant fractions; and any major changes in the company’s organization - acquisition of other companies, reduction of its activity and preparation of mergers.

General meetings don’t touch on managerial matters unless requested by the board and are instead used for resolution of any legal matters or those specified in the articles of association, such as: changes to the articles or share capital, assessment of the administration; election of corporate body members and their remuneration; removal of directors, members of the supervisory board or of the audit committee; and, resolutions relating to mergers, spin-offs or transformations of the company.

To note, three months after year-end, the General Assembly must approve your company's annual accounts and register them online at the Portal das Finanças by the fifteenth day of the seventh month after year-end.

What is the process to incorporate a company?

When it comes to the actual incorporation process, you can go the traditional route, online, or the speedy ‘On-the- spot’ method.

What does the traditional route of company incorporation involve?

Traditional incorporation involves more cumbersome steps, physically going to the relevant authorities, and of course a longer timeline and potential costs.

You first request a company name certificate with the National registry of Legal Entities – RNPC – either in person or online at www.portaldaempresa.pt or www.irn.mj.pt.

Next you must execute the articles of association by public deed or private document and deposit your minimum initial share capital in a bank (in the case of public liability companies).

Then follows registration with the Commercial Registry Office, publication of the articles of association and the member list of the company’s corporate bodies and finally registration with the Tax Authorities, Social Security and the Working Conditions Authority (ACT).

What benefits are there to incorporating online and how does it work?

For a 40% reduction in incorporation fees, and to avoid having to go to the relevant authorities, you can incorporate online through www.portaldocidadao.pt, with registration taking up to two working days.

You first fill in the relevant application form online, choosing from pre-approved documentation (including company name and articles of association, all available online) or submit your own. Do note that the online application must be made within 24 hours of starting your business activity.

A declaration of commencement of the activity then has to be filed with the Tax Administration within 15 days but you can choose to appoint a chartered accountant or choose one from the available list to do it for you. If share capital is involved, you must agree to deposit this within five days from the application.

The company is then registered either immediately or within two working days, depending on whether you choose pre-approved articles of association or submit your own.

To note, you cannot apply online if your company’s capital is subscribed to by contributions in kind because the transfer of assets requires an auditor’s valuation.

Be aware that to apply online the applicant must have a Portuguese ID card and a digital certificate to access the authorities online. Costs range from €180 using pre-approved articles to €380 for using your own articles, and you can even register a trademark for an additional €100.

What is ‘On the spot’ incorporation and what are the conditions to qualify?

‘On-the-spot’ is an instant way of incorporating your company at any of the many Desks around the country, with legalities and administrative issues taking as little as an hour and costing €360 if your company name is pre-approved or €435 if you request approval.

Certain conditions must be fulfilled on the day. All shareholders must be present with ID and Taxpayer info, or a relevant representative with a Power of Attorney, and certain documentation must be presented, but this is easily done with pre-approved models available online. There is a list of chartered accountants to choose from as well as articles of association etc previously approved and certified by the Companies Registry and notary services.

Again, a declaration of commencement of the activity then has to be filed with the Tax Administration within 15 days but you can choose your own chartered accountant, one from the pre-approved list or do it yourself. Share capital must be deposited within five business days following the incorporation.

Your company is registered that same day with all the relevant authorities – Tax, Social Security and ACT - and you receive the articles of association certificate, the company access code to its permanent certificate at the Commercial Registry, access to the company’s electronic card and its social security number.

To find out more about this and any other aspects of starting a business in Portugal, and how we can help, do visit our platform ‘Why Portugal’.

Ver pdf Partilhar
2019-09-05

With tourism and real estate investments dominating the scenes, how attractive to investors is Portugal? In 2018, Portugal won the «Best Destination in the World» of the World Travel Awards. But other rankings tell us more about Portugal’s investment conditions.

Read our full report "How Does Portugal Compare?" in the pdf.

Ver pdf Partilhar
2019-09-05

Com o aumento do investimento nos setores turístico e imobiliário em 2018, os investidores continuam à procura de oportunidades no mercado imobiliário, turismo, agricultura, produção de vinho e indústria. O volume de investimento internacional em Portugal continua a crescer em 2019.

Ainda assim há desafios pela frente pois a diminuição do crescimento económico interno e europeu e as tensões políticas na Europa e no mundo poderão vir a reduzir o interesse dos investidores por Portugal.

As condições de investimento de Portugal permanecem estáveis. Portugal oferece um processo fácil para a criação de novos negócios, reduziu o tempo para obtenção de licenças administrativas e melhorou a sua legislação laboral

O Relatório «Doing Business 2019» do Banco Mundial classifica Portugal como 15º lugar mais atraente para fazer negócios na UE e no 34º lugar das 190 economias analisadas.

De acordo com um artigo publicado pelo Banco Central Europeu (BCE), «Foreign Direct Investment and its Drivers: a Global and EU Perspective», Portugal é um dos três países da Europa com menos restrições sobre investimento direto estrangeiro. Portugal não tem "virtualmente" quaisquer restrições ao investimento externo.

Para os investidores internacionais que procuram um lugar para investir na Europa, Portugal oferece várias vantagens. Portugal é um local ideal para o nearshoring de instalações industriais e de serviços devido ao seu acesso ao mercado de 500 milhões de consumidores da Europa. Portugal também oferece acesso aos países de língua portuguesa em quatro continentes: Europa, América, África e Ásia. Tem boas redes rodoviárias e de telecomunicações e possui três portos de águas profundas.

Portugal tem um histórico comprovado de investimentos estrangeiros bem sucedidos numa ampla gama de setores. A fábrica de automóveis portuguesa da Volkswagen, a Autoeuropa, é uma das fábricas mais produtivas do grupo. Muitos outros investidores internacionais têm fábricas, centros de serviços partilhados e outras instalações de negócios em Portugal, como a Nokia Siemens Networks. Microsoft, Colt, Ikea, BNP Paribas etc.

Este guia analisa os principais aspetos a considerar pelos investidores estrangeiros que veem Portugal como local de investimento, como a criação de empresas, incentivos ao investimento, regras em matéria de emprego, sistema fiscal, proteção da propriedade intelectual, investimento imobiliário e sistema judicial.

Ver pdf Partilhar
2019-04-09

A negociação coletiva é a forma mais eficaz para evitar conflitos laborais e regulamentar as condições de trabalho, adaptando-as à realidade empresarial.

A autonomia coletiva e o direito à contratação coletiva estão consagrados entre os direitos, liberdades e garantias dos trabalhadores, no artigo 56.º da Constituição, razão pela qual o Estado deve promover o seu exercício. Para além disso, os artigos 485.º e seguintes do Código do Trabalho esclarecem que o Estado deve promover a contratação coletiva e quais as regras e princípios que devem ser respeitados.

Independentemente do apoio do Estado, a responsabilidade pela negociação coletiva compete às empresas e aos sindicatos. Mais do que esperar pelo apoio do Estado, os agentes laborais devem saber regulamentar os seus próprios interesses, de forma autónoma.

A negociação coletiva, porém, não é simples: para alem de obedecer a princípios próprios, contém técnicas negociais específicas, que ditam o seu sucesso ou insucesso.

A intenção do presente estudo é demonstrar o que deve ser feito para se obter sucesso na negociação coletiva e como se devem as partes preparar para obter consensos que defendam os seus interesses.

Pretende-se clarificar, de forma simples, como se deve negociar uma convenção coletiva e quais os caminhos que devem ser seguidos.

Ver pdf Partilhar
2019-02-28

Em 2018, Portugal ganhou a 25ª edição do World Travel Awards como 'Melhor Destino do Mundo' e 'Melhor Destino Europeu' pelo segundo ano consecutivo, juntamente com outros 15 prémios.

Lisboa foi eleita «Melhor cidade de destino» e «Melhor destino de férias na cidade». A Madeira foi considerada o «Melhor Destino Insular» e o Passadiços do Paiva «Melhor Atração Turística de Aventura». 

Portugal ganhou prémios como «Melhor Organização de Turismo» e «Melhor Empresa de Conservação». A companhia aérea portuguesa TAP ganhou três prémios. Cinco hotéis em Portugal receberam prémios, incluindo o "Hotel líder da cidade no mundo", o "Hotel clássico líder mundial" e o "Hotel de design líder mundial".

O World Travel Awards premiou a excelência em todos os setores da indústria global de viagens e turismo. Portugal ultrapassou muitos outros destinos reconhecidos, como a África do Sul, Brasil, Espanha, Grécia, Índia, Indonésia, Jamaica, Malásia, Maldivas, Marrocos, Nova Zelândia, Quénia, Ruanda, Sri Lanka e Vietname. 

Portugal também foi reconhecido como “Melhor Destino Mundial e Europeu de Golfe” no World Golf Awards em 2018.

O aumento do turismo tem impulsionado o crescimento económico de Portugal desde 2014, com investimentos significativos em novos hotéis e projetos residenciais para arrendamentos de curto prazo.

Desde 2013, o número de visitantes internacionais aumentou de 15,9 milhões para 24,6 milhões em 2017. De acordo com o Instituto Nacional de Estatística, as receitas relacionadas com o turismo atingiram € 15,2 mil milhões em 2017.

O investimento estrangeiro direto (IED) aumentou 61%. O desemprego desceu para 8,9% e foram criados 7.657 novos empregos como resultado direto do IDE.

A afluência  de turistas está a oferecer a Portugal uma oportunidade única para mostrar as melhores qualidades do país, atrair novos empreendimentos e fazer de Lisboa uma das melhores cidades da Europa para criar empresas inovadoras. Lisboa é hoje reconhecida como uma cidade popular para empreendedorismo, inovação, internacionalização e financiamento de startups.

Segundo a EY, a perceção dos investidores quanto à futura capacidade de Portugal atrair negócios aumentou 7% desde 2013. 

Portugal tem promovido a criação de startups através do «Startup Visa», um programa para investidores estrangeiros que desejam desenvolver novos projetos em Portugal.

‐Os requerentes de vistos de residência da startup devem, entre outros:
Ter um interesse real e efetivo no desenvolvimento de um novo empreendimento, como a criação de negócios baseados em inovação;
‐Propor um projeto com potencial para criar pelo menos cinco empregos nos primeiros 24 meses; e
‐Ter o apoio de uma incubadora certificada.

Em novembro de 2018, Lisboa sediou a edição anual do Web Summit, atualmente o maior evento para startups do mundo. A Web Summit atraiu cerca de 60.000 visitantes e 2.250 empresas de 170 países. 

A cidade de Lisboa garantiu a Web Summit durante os próximos 10 anos e criou o “Hub Criativo do Beato”, um novo projeto de incubação de empresas no centro de Lisboa que receberá empresas inovadoras e impulsionadas pela tecnologia.
A Factory Berlin, uma das maiores incubadoras da Europa, a Mercedes-Benz e a Web Summit estão entre as primeiras empresas a garantir um lugar no Hub Criativo do Beato.

Para mais informações sobre a economia de Portugal e os principais aspetos legais, visite a nossa plataforma web «Why Portugal».

Ver pdf Partilhar
2018-12-05

Seis meses após a aplicação do Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD), visitámos alguns sítios de Internet de grandes empresas e outras não tão grandes para verificar a sua conformidade com o RGPD.

Encontrámos vários exemplos de práticas ilegais ou, pelo menos, não recomendáveis face ao RGPD e ainda ao regulamento europeu relativo à privacidade e comunicações eletrónicas (regulamento «E-privacy»), ainda em fase de pré-aplicação.

Leia o nosso relatório aqui.

Ver pdf Partilhar
2018-11-20

A legislação laboral portuguesa baseia-se no Código do Trabalho de 2009 que regulamenta a formação do contrato de trabalho, o seu conteúdo e formas de cessação, bem como a contratação coletiva e a greve.

O atual Direito Laboral traduz um justo equilíbrio entre a proteção dos trabalhadores, a gestão empresarial e as exigências de flexibilidade da economia moderna.

De acordo com o relatório do Fórum Económico Mundial de 2016/2017, a legislação laboral do nosso país é atualmente, em alguns domínios, menos rígida do que de outros países da União Europeia, como a Alemanha ou a França.

A reforma do direito laboral operada em 2009, em conjunto com as mudanças introduzidas após 2011, contribuíram para a redução da rigidez destas normas.

Atualmente, a legislação combina a proteção do trabalhador, nomeadamente através dos regimes dos direitos de personalidade, igualdade e não discriminação e diversas garantias quanto à remuneração e à estabilidade no emprego, com mecanismos que garantem uma efetiva agilidade na gestão empresarial, como sejam a polivalência funcional, a mobilidade geográfica ou a organização flexível do tempo de trabalho, através da adaptabilidade, do banco de horas e do horário concentrado.

Por outro lado, existem diversos regimes especiais de contrato de trabalho que facilitam a gestão empresarial e a adaptação das empresas às necessidades do mercado. É o que sucede, nomeadamente, com o contrato de trabalho a termo, o contrato de muito curta duração, o trabalho temporário, o trabalho intermitente, o trabalho a tempo parcial, o trabalho em comissão de serviço e o teletrabalho.

Após 2011, foram também simplificados os procedimentos de cessação do contrato de trabalho em caso de justa causa objetiva, foi diminuído o valor das compensações por cessação do contrato e reduzidos os complementos salariais relacionados com o trabalho suplementar, o trabalho noturno e a isenção de horário de trabalho.

De acordo com os dados fornecidos pelo relatório do WEF, todas estas mudanças colocaram o nosso país 0,3 pontos atrás da média da União Europeia.

No mesmo sentido, de acordo com o Índice de Rigidez Laboral da OCDE, Portugal situa-se na média europeia, tendo até uma legislação mais flexível do que a de outros países europeus ao nível do trabalho temporário e do despedimento coletivo.

Ver pdf Partilhar
2018-10-30

Aproximadamente seis meses após a aplicação do Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD), o setor público apresenta ainda um atraso significativo na sua implementação. O RGPD impõe novos desafios à Administração pública em matéria de proteção de dados que parecem estar a ser ignorados.

A «moratória» de três anos aplicável à Administração pública quanto a coimas, prevista na proposta de lei de execução do RGPD, contribuiu para desincentivar o esforço de muitas entidades públicas na implementação do RGPD.

Há também uma «falsa ilusão» de que a Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD) não aplicaria de forma implacável o RGPD, ilusão que foi alimentada pelas notícias de falta de verbas desta autoridade. 

Contudo, frustrando as ilusões de muitos, a CNPD abriu, em 14 de outubro de 2018, um processo de averiguação à EMEL e à Câmara Municipal de Lisboa, na sequência do envio dos SMS pela EMEL com alertas sobre o furacão Leslie.

Uns dias mais tarde, a CNDP aplicaria uma coima de 400 mil euros ao Centro Hospitalar do Barreiro Montijo, EPE por acesso indevido a dados clínicos de doentes por profissionais não médicos.

Embora o RGPD permita aos Estados-membros determinar se as coimas devem ou não ser aplicadas a autoridades e organismos públicos, na ausência dessa lei nacional o RGPD é plenamente aplicável, pelo que a Administração pública não está isenta da aplicação de sanções pela CNPD.

A manter-se a redação da proposta de lei que se encontra em discussão, apenas as empresas públicas que sejam entidades públicas empresarias (EPE) seriam abrangidas pela isenção. Tal pode significar que a coima ao Hospital do Barreiro poderá vir a ser retirada mas isso não é certo ainda.

Certo é que, com ou sem isenção, a Administração pública tem de se consciencializar de que precisa de implementar cabalmente o RGPD porque os cidadãos têm direito à proteção dos seus dados e porque, mais tarde ou mais cedo, haverá sanções para evitar a violação do RGPD.

O presente estudo visa analisar o impacto da aplicação do RGPD na Administração pública e as novas responsabilidades que decorrem para os serviços, organismos e entidades públicas, bem como as medidas-chave a adotar na implementação do RGPD pelo sector público.

 

Ver pdf Partilhar
2018-10-15

A melhoria do clima económico, a redução do nível de alavancagem do sistema bancário e a redução do crédito malparado têm aliviado a pressão sobre os bancos para resolver o problema do crédito malparado. Contudo, a redução do crédito vencido poderá revelar-se essencial para enfrentar a próxima crise económica.

Hoje, sete anos após a entrada da troika em Portugal e quatro anos depois do fim do programa de ajustamento, o volume do crédito vencido continua elevado, não obstante a sua redução nominal e em percentagem do crédito concedido.

Como resposta à crise financeira de 2008 e das crises soberanas na Grécia, Irlanda, Portugal e Chipre, as autoridades bancárias europeias passaram a realizar testes de «stress» cada vez mais exigentes e a impor o reforço dos fundos próprios dos bancos e a contribuição de acionistas e credores comuns para a recapitalização dos bancos cujo desequilíbrio justifica a intervenção dos reguladores.

Contudo, os mecanismos de resolução em vigor não respondem às situações menos críticas, anteriores à situação de insolvência ou pré-insolvência (em que o desequilíbrio resulta de dificuldades em proceder à alienação de ativos problemáticos) que se podem tornar mais graves se puserem em causa a confiança dos depositantes e a liquidez das instituições bancárias. Por isso, os níveis do crédito vencido em Portugal, principalmente o crédito empresarial, mantêm-se elevados acumulando-se nos balanços dos bancos e em veículos indiretamente por eles controlados.

Neste relatório analisamos os principais indicadores relativos ao crédito bancário vencido e os passos dados pelas autoridades com vista à  sua redução.

Leia o nosso relatório aqui

Ver pdf Partilhar
2018-10-02

Em 2017 Portugal transpôs a Diretiva da UE 2015/849 do Parlamento e do Conselho Europeu, sobre a prevenção da utilização do sistema financeiro com o propósito de branquear capitais e financiar terrorismo. O regime português do Registo Central do Beneficiário Efetivo tornou-se efetivo no dia 1 de outubro de 2018.  

Os fluxos de dinheiro ilícito podem prejudicar a integridade, estabilidade e reputação do setor financeiro. A Diretiva da UE 2015/849 vem prevenir o branqueamento de capitais e/ou financiamento de terrorismo e manter a confiança no sistema financeiro comunitário.

O objetivo da Diretiva é aumentar a transparência na identificação dos beneficiários efetivos, exigindo que todos os Estados Membros guardem informação sobre os beneficiários efetivos das várias pessoas coletivas num registo centralizado.

A Lei n.º 83/2017, de 18 de agosto (a “Nova Lei do Branqueamento de Capitais”) e a Lei n.º 89/2017, de 21 de agosto (a “Lei do Beneficiário Efetivo”) foram responsáveis pela transposição da Diretiva em Portugal. A segunda, já em vigor, estabelece o regime legal do Registo Central do Beneficiário Efetivo (RCBE).

O RCBE responde à necessidade de identificar a pessoa singular que detém a propriedade ou o controlo sobre a pessoa coletiva. A informação exata sobre o beneficiário efetivo é um fator essencial no rastreio dos agentes do crime, que de outro modo poderiam dissimular a sua identidade numa estrutura societária. 

A Nova Lei do Branqueamento de Capitais define quem são os beneficiários efetivos de uma pessoa coletiva e os critérios relevantes para os presumir caso os critérios principais não sejam suficientes.

No mesmo sentido de prevenir o branqueamento de capitais, o Governo Português proibiu a emissão de ações ao portador.

A Portaria n.º 233/2018, de 21 de agosto, que regulamenta o RCBE, estabelecendo o formulário, o prazo e a publicidade da informação relevante  providenciada, entra em vigor no dia 1 de outubro de 2018.

Ver pdf Partilhar